sábado, 2 de maio de 2009

Menino

.

Era uma rua feita de barro e terra.
Pedras rolantes, ladeira abaixo.
Era uma rua com trilhos serpenteantes, feitos dos nossos pés descalços.
Era uma rua de brincar, onde se vivia.
Com a sirene do peixe soando ao meio-dia e o cheiro da sardinha fresca nos dedos delas e as tamancas repletas de escamas brilhantes.
Era uma rua feita de barro e terra e mercearias e rebuçados de mel.
Era uma rua de brincar, onde se vivia.
Na rua ao lado vivia o mar, na babuja do estaleiro.
Eles, no sol da tarde, esticando as redes na avenida desenleando limos, de navete tecendo buracos e atirando à malta as bóias velhas, quando a cortiça delas já morria.
A alma dos carrinhos de cana! Era isso que a malta queria!
Os “pneus”, encaixados com arames, fortes e folgados, a dar “direcção”.
O “volante”, ajustado no nó de crescimento da cana, permitindo curvas.
E descíamos ladeira abaixo serpenteando, trilhando, voando, conduzindo o carro mais importante do mundo!
Era uma rua feita de barro e terra e mercearias e rebuçados de mel e gente com cheiro a sardinha fresca.
Era uma rua de brincar, onde se vivia.
.
.

8 comentários:

francisco disse...

Magnífico. O que eu brinquei com esses bólides. Os de três rodas (bóias de cortiça, das redes), eram os mercedes...hehehe.

Francisco L disse...

"Na rua ao lado vivia o mar...]"
- soberbo!...

Mena G disse...

E havia os de 4 rodados, rodas duplas...
Seriam Ferraris?
O que havia era muito cuspo a desinfectar aqueles joelhos!

Maria, Simplesmente disse...

Lindo Mena! Ao ler é como se voltasse muitos anos atrás, no Algarve também!
Tenho saudades de ver as redes e os pescadores tecendo as malhas, nos arranjos. Não digo isto por saudosismo... digo por saudade dum tempo talvez mais difícil, mais jovem para os meninos dos carrinhos, do mar menos poluído em que não eramos somente um ponto de passagem para coisas indesejadas.
Abraço grande Mena.

J. disse...

Gosto muito do desenho.
Adoro o texto.
:)

JP Jacinto disse...

E então os barcos feitos com uns restos de madeira da obras a flutuar num mar de poça de lama. Grandes navios que eram e que deixavam a malta com meias de lama.

Gostei muito dos desenhos. De todos eles. A borboleta está mesmo gira.

Cumprimentos

JP Jacinto

LUA DE LOBOS disse...

que encanto de texto e que encanto de aguarela
xi
maria de são pedro

Mena G disse...

Obrigada a todos pelos vossos comentários.
Fico toda babada com os elogios...
;)